top of page
Buscar

Mecanismos de resistência das plantas daninhas aos inibidores da ACCase


O mecanismo de resistência de plantas daninhas aos inibidores da ACCase pode ser diretamente relacionado ao alvo (ACCase) ou à resistência metabólica.


Os biótipos resistentes aos herbicidas inibidores da ACCase podem surgir devido a alta pressão de seleção, principalmente nos sistemas onde a aplicação desse grupo de herbicidas é utilizada como a única ferramenta de manejo das gramíneas, sendo que esse fato está relacionado com a elevada frequência inicial (6-10 plantas) que apresenta o biótipo resistente na natureza.


Até o momento no Brasil, foram reportadas cinco espécies com populações resistentes aos herbicidas inibidores da ACCase: Urochloa plantaginea (capim-marmelada), Digitaria ciliaris (capim-colchão), Eleusine indica (capim-pé-de-galinha), Lolium multiflorum (azevém) e Digitaria insularis (capim-amargoso).


Por isso é fundamental que se realize rotação de ativos e, sempre que possível, utilize herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Veja em nosso site a classificação dos herbicidas quanto ao mecanismo de ação e grupo químico.



Referência: Referência: LÓPEZ-OVEJERO, R. F.; BELCHIOR, G. G.; MAYMONE, G. P. L. Resistência de plantas daninhas aos herbicidas inibidores da ACCase (Grupo A). In: CHRISTOFFOLETI, P. J. & NICOLAI, M. Aspectos de resistência de plantas daninhas a herbicidas. 4ª ed. Piracicaba: ESALQ, 2016. p. 80.


Comments


bottom of page